segunda-feira, 16 de agosto de 2010

The Lovely Bones, de Peter Jackson (2009)

Susie Salmon, uma rapariga de 14 anos é brutalmente assassinada. No entanto, o seu espírito fica preso no céu, antes de poder partir. Susie aproveita então para acompanhar a sua família e o seu assassino, enquanto este se prepara para matar novamente.
Baseado na novela do mesmo nome (que, aviso já, não li), The Lovely Bones é um thriller dramático de grande poder visual. Peter Jackson, que já teve a árdua missão de adaptar a trilogia Lord of the Rings ao cinema,, aceitou esta outra difícil tarefa, já que a obra, pelo que dizem, é algo complexa de adaptar para cinema. Se temos aqui uma boa adaptação, realmente não sei dizer. No entanto, na minha opinião, as críticas negativas foram algo duras para com esta obra.
Como disse, o filme tem um grande poder visual: o céu visto por Susie é duma beleza invulgar e mágica, algo que Jackson sabe fazer muito bem, sendo ele um realizador bastante visual. No entanto, muitos criticaram a falta de desenvolvimento das personagens bem como a falta de carga dramática no filme. E neste aspecto discordo um pouco. É verdade que o filme poderia ter uma carga dramática mais forte, já que temos algumas personagens importantes algo apagadas (refiro já que Rachel Weisz, Susan Sarandon e Michael Imperioli estão em segundo plano) mas um dos aspecto que Jackson quis realçar foi a relação entre Susie e o seu pai (Mark Whalberg que, embora não esteja mal, não deslumbra). E neste ponto, o filme está bem conseguido e consegue ser tocante. Outro aspecto que resulta bem é o seguir do assassino de Susie (um soberbo e arrepiante Stanley Tucci), onde o realizador consegue criar alguns momentos de suspense de grande qualidade. E depois temos a personagem de Susie (Saoirse Ronan, fantástica!) que é trágica e tocante e consegue cativar o espectador com a sua narração. Tudo aliado à realização de Jackson, sempre excelente, e à linda banda-sonora de Brian Eno, já para não falar da espantosa fotografia e dos efeitos visuais.
No entanto, nem tudo resulta no filme. Alguns momentos deixam muito a desejar (o momento final do assassino, por exemplo) e as personagens secundárias não estão (e neste caso dou razão) bem desenvolvidas e exploradas, dando a impressão que apenas estão lá por estarem e não por terem alguma importância (se bem que a personagem de Rachel Weisz ganha grande importância no final).
The Lovely Bones é um bom filme, ao contrário do que muitos dizem. No entanto, podemos dizer que é uma obra falhada. Uma coisa é certa: é um dos filmes de maior poder visual dos últimos tempos e uma boa obra de Peter Jackson, embora a mais fraca. De qualquer forma, aconselhável!

2 comentários:

Roberto F. A. Simões disse...

Hmmm... será um filme para comprovar com os meus próprios olhos. Só assim poderei dissipar as dúvidas que se me recaem sobre ele. Mas não estou com grande expectativa.

Cumps.
Roberto Simões
» CINEROAD - A Estrada do Cinema «

The movie_man disse...

Se calhar, é a melhor forma de ver o filme, sem grandes expectativas. Pessoalmente, surpreendeu-me pela positiva, já que as expectativas também não eram muito altas. Mas reconheço que é a obra menor de Jackson. Mas nada como ver pelos próprios olhos :)

Cumprimentos.