segunda-feira, 19 de julho de 2010

Retrospectiva Christopher Nolan #2

O segundo filme da retrospectiva dedicada a Christopher Nolan é Memento, a sua segunda obra.
Depois da sua mulher ser violada e morta, Leonard Shelby decide procurar vingança. O problema é que, ao tentar auxiliar a sua mulher no momento trágico, foi agredido e isso fez com que Leonard não consiga ter memórias recentes, sendo que a cada momento pode esquecer o que acabou de fazer (um dos melhores exemplos usados pelo protagonista é o facto de iniciar uma conversa e poderá chegar a meio e não se recordar de como tal diálogo começou). No entanto, Leonard cria um método que permite-lhe reunir informações de forma organizada, de forma a criar um sistema em que possa caçar o assassino da sua esposa.
Memento é a segunda obra de Nolan, escrita também pelo realizador (baseado num pequeno conto da autoria de Jonathan Nolan, seu irmão) e é uma obra inteligente, complexa e extremamente bem criada. Nolan consegue criar um puzzle autêntico, recorrendo a flashbacks e flashforwards, de forma a fazer com que o espectador tente colocar as peças por ordem para que possa juntar o puzzle. A narrativa tem dois rumos: as sequências a preto e branco são o início da história (isto rapidamente se percebe no filme) e as sequências a cores contam-nos a trama desde o fim até ao momento inevitável em que tudo será conectado. O espectador apenas tem de estar com toda a atenção, juntar todas as peças e tentar perceber a história que nos é contada. E mesmo começando a história pelo final, Nolan consegue surpreender-nos com um bom twist final.
Guy Pearce é o protagonista e te aqui um dos grandes momentos da sua carreira, numa interpretação bastante notável e bem acompanhado do sempre excelente (e subvalorizado) Joe Pantoliano e Carrie-Anne Moss.
Memento é uma obra genial que funciona como um quebra-cabeças para o espectador, um filme independente que obriga o público a dar toda a sua atenção e pensar no que vê, tudo apresentado por boas interpretações, uma realização excelente e um argumento invulgar e extremamente complexo e inteligente, com uma estrutura diferente e muito bem construída e pensada. Um dos melhores filmes da década passada e um dos filmes predilectos deste que vos escreve. Uma obra obrigatória!

A seguir:
Insomnia

2 comentários:

Roberto F. A. Simões disse...

Um grande filme, sim.
5*

Cumps.
Roberto Simões
CINEROAD - A Estrada do Cinema
(http://cineroad.blogspot.com/)

The movie_man disse...

É pois. Agora vou ver o Insomnia.

Cumprimentos.